Redes sociais e audiência. Como usar a favor do site de notícias

Se as redes sociais já eram sensação em 2019, com a pandemia ganharam ainda mais espaço na vida do brasileiro. A maioria usa as plataformas para se informar e acaba por consumir as notícias que ali encontra. Estar presente nas redes sociais é uma opção dos sites de notícias que deve ser considerada, principalmente sobre a influência na audiência.

Hoje em dia praticamente todos os jornais estão nas redes sociais, adaptando o conteúdo produzido às plataformas. Mas algumas dicas são importantes. Aposte em notícias relevantes, curiosas e inéditas, interaja com o público e, quando necessário, os posts patrocinados também podem ajudar a alcançar mais pessoas.

Devo escolher uma rede social para investir? 

Antes de decidir estar presente em todas as redes sociais do momento é importante avaliar algumas questões.  Primeiro avaliar qual o público-alvo do seu site de notícias, qual idade média, preferência por temas, horários de maior consumo, entre outras características. A partir disso, ver em qual rede social se encontra este público.

Feito isso é hora de avaliar os formatos. O público consumidor está cada vez mais exigente e prático, além disso os recursos para informar estão mais diversos. Não basta compartilhar o link e deixar que a pessoa clique e leia, é preciso se ajustar e deixar a criatividade rolar para atrair novos leitores.

Analise as preferências de consumo do público e como é possível adaptar seu conteúdo. Por exemplo, se são vídeos maiores ou mais curtos, textos menores, com CTA (call to action), ou seja, que chama o leitor para a ação. São alternativas para deixar mais atrativo e alcançar maior público.

Recursos interessantes

Independente da plataforma, as redes sociais oferecem diferenciais importantes aos sites de notícias e que contribuem para o aumento da audiência. Um deles é a possibilidade de fazer transmissões ao vivo. Este recurso pode ser útil para o jornalismo, principalmente em acontecimentos factuais, como incêndios, acidentes, prisões, ou seja, situações rotineiras e que ganham atenção do público.

Outro ponto crucial é a possibilidade de interação com o público, visto que dificilmente se conseguirá tanto contato somente no site de notícias. Porém há um cuidado que não pode ser deixado de lado. As fake news são um problema crescente e perigoso e que deve ser monitorado pelos sites de notícias.

Facebook é onde mais se compartilha notícia

Pesquisa recente realizada pela Reuters Digital News Report junto com a Universidade de Oxford, avaliou o comportamento do consumidor de notícias desde o início da pandemia de Covid-19. A principal grande mudança é relativa ao acesso à internet. Em 2020 o Brasil chegou a marca de 122 milhões de pessoas conectadas à rede, um recorde.

A pesquisa mostrou que o Facebook é a rede social mais popular para acesso às notícias atualmente, onde 47% dos usuários compartilham notícias. O WhatsApp aparece em segundo com 43% dos usuários compartilhando notícias. E, em terceiro, o Youtube onde o percentual de compartilhamento é de 39%.

Outro dado importante da pesquisa é que o brasileiro confia mais nas informações de fora das redes sociais, ou seja, direto dos sites ou encontradas no Google. A confiança na mídia tradicional soma 54%, percentual maior do que os de que confiam nas notícias de redes sociais, que é de 34%.